quinta-feira, 1 de setembro de 2011

Setembro, estações e mudanças.



              Setembro, mês da primavera. Se não fosse pela desordem ambiental, no final de setembro poderíamos admirar a beleza das flores nascendo em arvores e o clima gostoso a nos visitar, mas não creio que poderemos desfrutar dessa estação. Pelo menos na minha cidade, o inverno não chegou nem perto de inverno, ontem mesmo disseram que foi  um dos dias mais quentes do ano. Bom, eu não vim aqui dar lição de consciência ambiental, essa parte eu deixo para as empresas capitalistas que usam esse tema para melhorar sua imagem com a sociedade e com as pessoas que fingem se importar.  Eu usei da bagunça das estações, para falar da bagunça de nós mesmos.
                Mudanças, eu sempre digo que nós seres humanos estamos em constantes mudanças e no mês de agosto tive o prazer ou o desprazer de observar um pouco mais cada uma delas. Não é possível ficar estagnado em uma determinada época da vida, em um determinado pensamento, porque as coisas mudam e, querendo ou não,  somos obrigados a mudar com elas. Me observo a anos atrás, e relembro das minhas certezas, dos meus pensamentos e hoje sou uma pessoa com paradigmas totalmente diferentes. Não interprete isso como falsidade ou fraqueza de caráter, muito pelo contrário, eu fui forte o suficiente para mudar, para abrir minha mente, para reconhecer que algumas regras  do meu próprio “eu” tem que ser consertadas. Mudei pela rotina do dia-a-dia, mudei pelo tempo, mudei sem perceber, mudei por necessidade. 
                  Com o passar do tempo, a vida vai nos moldando  para a próxima estação e você vai mudando com as circunstâncias da vida e as coisas que pareciam importantes, hoje já não faz o mínimo sentido.  Devemos nos permitir mudar, precisamos melhorar, consertar nossos erros e as falhas que cometemos com nós mesmos.  Com as pedras, com os buracos da vida, aprendemos e mudamos espontaneamente ou apenas por necessidade.
                    O ser humano necessita de reconhecimento, reconhecimento pelos seus feitos e ações, e isso provoca mudanças também. Vocês já se observaram? Já perceberam em vocês o tanto que mudaram e o tanto que precisam mudar? Clarice Lispector disse uma vez assim: " Até cortar os próprios defeitos pode ser perigoso. Nunca se sabe qual é o defeito que sustenta nosso edifício inteiro". Eu não concordo, claro que todo mundo tem defeitos, mas estamos no mundo para melhorarmos, para olhar pra traz e ficarmos felizes pelas nossas melhorias. Eu prefiro seguir o pensamento de Fernando Pessoa: " Deixe de ser quem era e transforme em quem é".
                  Meu texto não provocará mudança em ninguém, não trará o devido reconhecimento dos pequenos erros, das pequenas falhas que devem ser corrigidas. A mudança só vem quando perdemos algo, quando sentimento falta de algo, a mudança só parte na vida de quem está partindo da sua vida.  E antes de discordar com alguma palavra, relembre dos motivos que te forçaram a mudar, das ocorrências diárias que fizeram você mudar naturalmente. Não mudem por necessidade, ou por algum motivo, mudem porque acham digno e necessário mudar.  E acreditem, que a mudança faz parte da vida, faz parte da evolução.

Renove, inove. 

Nenhum comentário: