sexta-feira, 26 de agosto de 2011

Amor

                Essa semana me fizeram a seguinte pergunta “ O que é o amor?”  eu não soube explicar e nem responder. Hoje, eu faço essa pergunta pra vocês, vocês sabem o que é o amor?
                    Pensei  e repensei  sobre essa pergunta, revivi amores, relembrei das poucas e sinceras vezes que eu disse eu te amo, dos meus aprendizados, dos amores correspondidos, dos amores secretos, dos amores fracassados. Amor, essas quatro letras mexeram com a minha semana.  Acabei  concluindo que amor é o inexplicável do sentimento, é a luta desmedida a favor de outro alguém, é timidez. Amor é brilho no olhar,  é coração acelerado, é não saber o que falar. Amor é querer o bem, é torcer pela felicidade do outro sem pensar se inclui ou não você. Amor é humildade, solidariedade, saudade.  Amor é proteção, é entender, é caminhar lado a lado. Ama-se todas as qualidades e continua amando quando descobre cada defeito. Amor é conversar pelo olhar, é abraço quente, é beijo de boa noite, é carinho com as mãos. Amor é não saber explicar o porque, nem o motivo e nem quando começou acontecer.
                  Ai o amor, só se sabe o que é amar quando se ama. Algumas pessoas amam sem saber, outras falam que sentem, sem sentir. Pra mim, amar é mais complexo do que pensam. É mais profundo do que acham. 
Todo mundo ama e dos diversos tipos de amores, pelo menos um foi experimentado.  O amor não  é chegado a aparência, não é ligado as regras. Amor é cego, surdo e mudo. Abre a porta sem avisar e acampa ali dentro do coração sem ter hora pra ir embora.
                   É  por isso que não se deve perder tempo se perguntando o porquê do amor, o porquê de amar alguém, o amor é mistério e não responde a perguntas.  Ele  vem com o presente e pede pra você viver com ele, pois o passado é lembrança e o futuro só existe nos sonhos.

Ama-se justamente pelo o que o amor tem de indecifrável.

domingo, 21 de agosto de 2011

Flores e Destino


        No decorrer da semana, me peguei pensando nas freqüências de certos sentimentos. Me indignei quando observei os diversos tipos  que haviam em uma só pessoa.  Em algumas temporadas, tentamos jogar fora sensações que não queremos ter, amores que não queremos reconhecer, paixões que por mais doloridas que estejam, não conseguem ir embora. É incrível como não conseguimos ordenar a nós mesmos. Julgamos as pessoas, menosprezamos os seus problemas e só reconhecemos a gravidade deles quando caímos no mesmo buraco.
        Muitas vezes começamos a dar valor e a reconhecer o significado de certas pessoas e mesmo assim não somos reconhecidos. É difícil tentar entender a nossa própria mente. No final dos dias de chuva, pensamos em ir embora, para que alguém venha logo atrás da gente pedindo pra ficar. O complicado é não conseguir ir, é não conseguir deixar pra trás.
         Quando a ventania vai embora, quando a primavera começa a florecer, você descobre que as pessoas amam de formas diferentes  e outras, não te amam como você esperava. Talvez seja pelo motivo de  que os sentimentos que temos, são apenas nossos. Nós somos responsáveis, mesmo que indiretamente, por tudo que levamos dentro do peito.
         Com as várias estações que adquirimos com o tempo, descobrimos que precisamos deixar certas coisas irem embora, descobrimos que não se deve correr atrás, porque quem realmente se importa anda do lado e não na frente. Com o decorrer da jornada, aprendemos que não existe orgulho, egoísmo e individualismo dentro do amor. 
Dizer que ama é diferente de saber amar.

quinta-feira, 18 de agosto de 2011

Sinceridade


          No Dicionário Aurélio a palavra sincero se encaixa no seguinte significado: 1. Que expressa sem intenção de enganar. 2. Verdadeiro, Autêntico.
          Muitas pessoas enchem a boca para vangloriar sua “legítima” sinceridade,  mas pouquíssimas agem de acordo com suas palavras, é o famoso hipócrita. Ser uma pessoa sincera, é bem mais do que falar o que pensa  na hora que bem entender. Ser sincero é saber a hora de mostrar sua verdade e de como falar, respeitando, é claro, os outros em volta.
         Sinceridade muitas vezes é confundida com grosseria ou egocentrismo, as pessoas usam sempre a verdade para agir no seu próprio favor, logo se cria a verdade torcida ou o orgulho. Ser sincero, é ver além do seu próprio lado, é olhar os dois ângulos da questão e entender que tudo nessa vida existe dois pontos de vista. Ser sincero, é admitir seus sentimentos, sem escondê-los, é  aceitar quando se gosta e respeitar quando não se gosta.  Ser sincero é  ter sua própria opinião, independente de qualquer outra contrária. Ser sincero é conseguir dirigir suas idéias sem manipulações.
         Por isso que sinceridade é tão complexa e quase invisível dentro das virtudes humanas. Por medo, não falamos o que sentimos ou que pensamos, por isso escondemos a nossa verdade. É difícil, mas é mais limpo a pessoa ser o que é, sem usar máscaras para agradar uma pequena sociedade que anda em um padrão unitário.
É enxergar além do que se vê, é   saber admitir que é um ser humano errante e, o mais digno de tudo, que se esforça para corrigir, é  se manter uniforme em qualquer grupo social, é saber mostrar seu ponto de vista sem ferir ninguém, e ter coragem para sustentar tamanha qualidade.

Aja antes de falar e, portanto, fale de acordo com os seus atos.