sexta-feira, 1 de abril de 2011

Verdade, por que me condenas?

           Quem é que nunca mentiu que atire a primeira pedra.  O fundamento da mentira, sempre é  para aliviar o seu próprio lado, ou para te sobrepor a determinada situação ou assunto. Alguns dizem “Eu menti para o seu bem.” Convenhamos que não existe mentira para ajudar o próximo, ela existe para você se auto-beneficiar.  Você mentir, até que dá um gostinho bom, porém alguém mentir pra você, é decepcionante. E para tamanhas mentiras, hoje é seu grande dia, 1 de Abril onde todo mundo pode usar e abusar da mentira, sem nenhum pecado para julgá-la ou nenhum peso na consciência para interferi-la. Confesso que algumas pessoas deveriam usar esse dia como o dia da verdade, já que mentem todos os dias. E são dessas pessoas que eu quero falar.
            Não existe mentira que não seja descoberta, e o pior é quando você sabe que o outro está mentindo. É como se você olhasse para o “mentiroso” e pensasse: “Babaca, vai enganar outro, eu sei da verdade.” Às vezes você desmente na hora o que o outro está dizendo, outras vezes você analisa até que ponto ela pode chegar . O ruim de a mentira ser contada antes do dia 1 de abril ou depois desse dia, é que quando ela é descoberta, leva a pessoa à desconfiança e não existe relacionamento com base em desconfianças. O mentiroso acaba ficando sozinho.
          Não estou aqui me isentando da mentira, eu fui daquelas crianças que na época de frio disse para a mãe “Mããe eu já tomei banho.”  Ou daquelas adolescentes que gritava no quarto “Já to desligando o computador paaai.” São mentirinhas que todo mundo já contou, se não for igual, foi parecido. Mas quando você conhece ou descobre um mentiroso, é até divertido perceber suas mentiras impossíveis. Tem o mentiroso sonhador “ Meu pai comprou uma BMW bonita demais, eu até pedi ele pra vir me buscar na escola com ela, mas ela foi para o mecânico fazer alguns reparos.” Tem o mentiroso livre “ Minha mãe é super tranqüila deixa eu sair pra qualquer lugar, eu é que gosto de ficar em casa mesmo” Existe o mentiroso luxuoso “ Comprei uma blusinha de 365 reais, depois te mostro.”  E sem falar naquele mentiroso  pegador  “ Sabe aquela menina ai, gata demais né? Pois é já namorei com ela, hoje não quero nem ficar com ela mais.” E quase ia me esquecendo, do mentiroso bebedor “ Eu bebo demais sô e nunca fiquei bêbado ou com ressaca.” Sempre convivi com mentiras parecidas com essas, e por ter uma intimidade com esses casos, sempre descubro a verdade. Você sabe muito bem que a BMW é da empresa do pai  da pessoa.  Conhece tão bem a mãe do contador da mentira, que sabe que se ele colocar o dedo na rua, a mãe o colocará de castigo.  Analisa tão bem a pessoa que a blusa de 365 reais nunca existiu, já que o mentiroso tem freqüência de usar as mesmas roupas pra ir aos lugares.  Por ironia o destino você descobre que a ex-namorada super linda nunca existiu, ou se existiu, só deu um beijinho no seu amigo e partiu pra outra. E na última festa que você saiu com seu amigo bebedor, ela conseguiu beber 2 cervejas e depois  caiu no chão de tão bêbado. 
            A freqüência da mentira, sempre desgasta sua confiança com alguém  e de mentirinha em mentirinha, acaba fazendo algum estrago. Por exemplo, existe a mentira que é casada com a fofoca: “Mariazinha fiquei sabendo que a Joana falou isso e isso de você. Sei não viu, mas ela ta sendo uma falsa com você.” Tem a mentira que namora com a falsidade: “ Olha, eu só quero seu bem e me preocupo com você.”  Essas mentiram machucam e para mim, são imperdoáveis. E tirando a parte irônica e o tom de brincadeira em todos os exemplos, sabemos que muitas mentiras tem como o objetivo magoar, enganar e separar pessoas, na maioria das vezes a mentira sempre tem um gosto de maldade.  E por mais sábio que alguém seja,  a esperteza do maldoso sempre da um passo a frente do coração inocente. No final, você acaba sendo levado pela fofoca ou pela falsidade de alguém e por mais que o tempo demore você descobre a realidade e se magoa duas vezes, a primeira por ter se deixado levar e a segunda por ter confiado em alguém que tinha a intenção de te enganar. 
          Sejamos francos, quem mente sempre sofre de alguma carência ou de alguma reijeição. Então meu conselho é que o mentiroso se acostume com sua beleza do avesso, procure alguns amigos de verdade e arrume um namorado, não precisa ser aquele bonitão, pode ser apenas um que goste de você. Por que assim, a sua carência desaparecerá e você não terá motivos para inventar uma vida de ilusões e conto de fadas. É dia de mentira, mas não vamos empolgar e fazer da vida completamente uma mentira, encaremos a nossa realidade diária.

Que o 1° e abril seja apenas nessas 24h que nos cabe e não nos 365 dias do ano. 

7 comentários:

leila castro disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
carol disse...

As pessoas não são nem um pouco verdadeira que criaram uma data pra comemorar a mentira. usahsuahsuahs mas ameeeeei seu post. visite-me meu blog. *O*
http://oicarolina.wordpress.com/

Carolina Lima disse...

Adorei o texto. Me fez lembrar uma frase da Anais Nin que diz que

"A origem da mentira está na imagem idealizada que temos de nós próprios e que desejamos impor aos outros."

O que é lamentável!

Bom seria se mentirinhas existissem só no dia de hoje!

Abraços,
Carol
http://bembemsimples.blogspot.com/

100% disse...

nossas tantas ideias e uma só mente.

Azervilhaz disse...

Não gostei! Rá! Mentira! =D Muito bacana cada uma das tuas reflexões. Parabéns pelo blog.

Paula Santana disse...

Parabéns pelo blog e estou com você: "que o 1° e abril seja apenas nessas 24h que nos cabe e não nos 365 dias do ano." :) beijos

La Belles disse...

Que texto bem estruturado. Você escreve muito bem, parabéns! De mentirinha em mentirinha perdemos a confiança mesmo. Parabéns pelo blog. Sucesso! Estou seguindo. beijos