segunda-feira, 30 de agosto de 2010

Para um eterno amigo.

                 Nesse mês eu não compareci no blog com novas noticias, textos e pensamentos, de inicio peço desculpas, mas eu estava aproveitando meu último mês com meu melhor amigo. Sem perceber que seria o nosso último mês juntos, me dediquei completamente a alegria dele e finalizei o mês ao receber a notícia de que ele partira, o fato é que não me entristeceria se ele tivesse viajado, ou mudado para longe, o que me fez derramar lágrimas é concretizar a hipótese que tinha na ultima semana, o fim da sua vida. Ele sempre foi muito saudável, e era muito novo para finalizar sua etapa, mas por ironia do destino ele se enfraqueceu e em um mês tudo acabou. Eu não vim aqui para deixar uma notícia triste e que vocês coloquem nos comentários apenas sentimentos que me faça aumentar a minha tristeza, eu vim aqui para apresentar à vocês o melhor amigo de todos. O meu cachorro, Pirulito.
                 Quando se ganha um animal de estimação a intenção é fazer que ele seja apenas um animal, mas meu cachorro nunca me obedeceu muito e fez questão de ser um membro da família, literalmente! Ele fez questão de sentar no sofá que meu pai deitava e com uma autoridade absurda ele rosnava quando meu pai chegava perto do tal sofá, ele descobriu que é nos lugares altos que se guardam as coisas mais interessantes, descobriu que não tinha altura para pegar essas tais coisas, mas ele aprendeu que nas suas pernas existiam uma flexibilidade que ninguem conhecia, nem mesmo os cachorros normais, foi ai que ele aprendeu a pular em cima das mesas, da cama, e de qualquer lugar que ele tivesse vontade, ele mesmo escolheu dormir embaixo da minha cama, mostrando com seu latido que ninguem mais entraria naquele quarto enquanto eu e ele estivéssemos dormindo, ele tinha pesadelos e chorava como gente para eu ir la buscá-lo, ele se sentia protegido nessa ação e sentia na obrigação de me defender de qualquer pessoas, até mesmo de amigos, familiares e do meu outro cachorro mais velho. Dizia minha mãe que tinha medo dele um dia  aprender a falar, porque com a capacidade que ele tinha de nos surpreender isso seria um ato normal para ele. No mês que ele foi atacado pela doença eu nunca vi nele alguma demonstração de revolta, muito pelo contrário, quando ele corria e não conseguia se equilibrar ele fazia questão de deitar de barriga pra cima olhar pra mim e latir, me obrigando a brincar com ele ali mesmo no chão, mesmo doente ele conseguiu me fazer sorrir, no último dia dele aqui em casa, ele fez questão de morder meu cachorro mais velho e bem maior que ele, só porque ele se aproximou de mim. Se eu for me recordar de tudo estaria mostrando com maior clareza a grandeza desse pequeno cachorro, mas eu pretendo finalizar esse texto sem maior lamentação. 
                   Eu não vim aqui para avisar que meu cachorro morreu, eu vim aqui para mostrar a vocês que muitas vezes perdemos pessoas (ou animais) queridos em nossa vida e nos surpreendemos com esse tal fato, mas se pararmos pra pensar o mundo nunca parou por um capricho humano e  ele nunca voltou para consertarmos alguma atitude, ele sempre seguiu em frente, para ou se lamenta quem quiser. E digo que eu fico feliz por ter feito tudo pelo Pirulito, por ter lutado o máximo que eu pude pela vida dele, por brincar com ele na hora que ele bem quisesse, porque eu tenho certeza que assim como eu fui uma menina feliz por causa dele,  é com concreta certeza que eu digo: ele foi um cachorro muito feliz. No fim de semana eu torci para que isso fosse apenas um pesadelo e que eu ia acordar novamente, eu me lembro que eu liguei para o meu pai perguntando se o meu cachorro tinha morrido mesmo, foi na resposta do meu pai que eu descobri que nós não temos duas vidas e nada faz ressuscitar alguém querido. Hoje eu cheguei da escola e chamei pelo nome dele, foi a primeira vez que ele não veio, foi a primeira vez que ele não me lambeu, mas eu fiquei feliz por saber que eu fui privilegiada por um dia ter a recepção dele.    
                   Me perguntaram se eu penso em ter um outro cachorro, eu disse que sim, não para esquecer o meu melhor amigo, mas para ver se algum dia eu irei encontrar algum cachorro com pelo menos um terço das  qualidades e dos defeitos que o Pirulito teve, eu tenho certeza que eu não irei encontrar, mas tenho certeza que esse cachorro vai fazer de tudo para ser um bom cachorro.  


Dizem que todo mundo tem uma missão, a missão do meu animal de estimação foi mostrar pra mim que as pessoas que mais nos importamos são tomadas rápidas demais da nossa vida. Por isso aproveitem quem está ao lado de vocês. 

http://twitter.com/lariidiniz                          

terça-feira, 17 de agosto de 2010

Refúgio

            A porta estava fechada e dentro da penumbra daquele quarto eu me encontrava, que conforme a explosão dos meus pensamentos, viajavam para os quatro cantos do mundo em um piscar de olhos. Naquele momento a lua estava praticamente ao meu alcance, as estrelas estavam ofuscadas por causa do brilho dos meus olhos, aquela neblina de mistério envolvia as quatro paredes daquele cômodo, que entre elas escondiam os maiores segredos, os mais íntimos desejos e não pensavam nunca em contar as mirabolantes idéias de quem habitava aquele quarto. A minha casa é uma moradia normal, exceto esse lugar, exceto esse esconderijo, que guarda sonhos e desejos.
            Eu tenho uma capacidade inigualável de encostar minha cabeça no travesseiro e me deixar levar pelo tempo, imaginando-me daqui à anos ou repensar o que foi feito naquele dia. Nesse lugar eu sou apenas construída de sonhos, jovem e com marcas de tudo que passara por mim. Capaz de doar meu melhor sorriso para quem sequer soube um dia a diferença dele, capaz de abraçar apenas para conseguir demonstrar um pouco do afeto que sentia por alguém.
            Me deleito em desejos e anseio por respostas, crio utopias e percebo que nada mais sou do que um ponto de interrogação, que conforme a evolução da vida e a complexidade das minhas perguntas, acabo me encontrando cheia de dúvidas sobre as minhas supostas respostas. Na sombra do meu quarto, me encontro ao som do meu silêncio se preparando para me deixar, com o toque da porta ou o barulho estridente do telefone, ele sempre consegue ir embora deixando uma réstia de dúvida, frieza e conforto. Por mais que aquele necessário silêncio fosse embora, eu saberia que no exato momento em que eu deitasse na minha cama e chamasse pelos meus pensamentos, ele novamente retornaria e sem saber como ouvi-lo fecharia os olhos e deixaria me levar por um longo e leve sono. 

quarta-feira, 11 de agosto de 2010

A nova moda .

                   Agora estamos aderindo a nova moda, falar mal das modinhas.  A sociedade está oscilando em: seguir a modinha e ser contra modinhas. Não tem importância a pessoa ser contra modinhas sem nenhum nexo, mas as pessoas se empolgaram tanto que começaram a viver essa revolução. 
                   Ao pesquisar um pouco sobre o tema que eu iria falar, comecei a perceber uma falta de qualidade nos assuntos desenvolvidos, no decorrer da semana a internet mostrou assuntos praticamente iguais, ela mostra as mesmas coisas e escreve mal das mesmas coisas. A uns 7 meses atrás começamos a ver novas pessoas e novos estilos sendo publicados na internet e lançados para o mundo todo, logo depois encontramos os possíveis grupos que prestigiaram o trabalho, andando para uns 5 meses encontramos os fãs loucos que além de aderir o modo, a roupa, o visual das personagens prestigiados fizeram questão de fazer aquele personagem criar vida, chegaram no ponto tão louco que pensaram que eles eram verdades, os vampiros eram reais, as roupas mega coloridas eram muito estilo, o rebolation seria a dança do século e as músicas eram escritas descrevendo a vida sentimental dos cantores, mesmo não tendo nenhuma letra - maaaaas não vamos falar mal das modinhas, não quero aderir a essa moda -, agora mais recente vieram os contra essas modinhas, eu achei excelente ter pessoas expressando sua opinião contra o nosso contraste de 15/20 anos atrás e os tempos de hoje, mas eles também começaram a ficar alterados como os que seguiam as modinhas, tudo agora se tornou motivo para falar mal das modinhas, e acaba que você não consegue achar nada pra dar sua opinião porque só falam de modinhas.
                   A maioria das coisas que eu escrevo no blog é fazendo uma análise de assuntos que precisariam de mudança, inclusive eu já falei um pouco sobre essas modinhas, mas o ápice da questão é que começaram a falar das mesmas coisas o tempo todo, desgastando completamente esse assunto, as pessoas falaram tão mal e tantas vezes dessas modas que não tem mais o que falar, acabam xingando sem nenhum fundamento ou fazendo críticas onde não tem, acaba finalizando a frase com: "Esses coloridos são todos viadinhos, não é vampiro é fada". E são ofensas tão infantis que denigre a imagem do crítico que tem motivo por não gostar das tais, e que por incrível que pareça  um bom crítico e um bom analista nunca sequer vulgarizou as modinhas. Por favor, não me imaginam com uma calça apertada amarela e uma blusa azul piscina, sendo fã de crepúsculo e cantando garota radical, eu não estou aqui falando para defender as modinhas, mas estou aqui com a idéia de fazer vocês perceberem que nem tudo de mal nesse mundo usa roupas extravagantes e grita quando ver um suposto lobisomem sem camisa. Tanto é, que é maduro da parte de um jovem não gostar disso, ou não apreciar isso loucamente a ponto de xingar muito no twitter ou achar uma puta falta de sacanagem cancelarem um show. 
                Por pior que seja a situação desse século, ela não modificou muito, existia uma época que era moda falar mal de Backstreet boys, Hanson, assim como teve uma época nem tão antiga assim que a moda era falar mal de quem gostava de Rebelde e Rouge, a sociedade sempre oscilou entre: falar mal e seguir a nova moda. E sempre vai ter alguém como eu esperando alguma mudança de assunto, assim como terá sempre alguém ficando louco contra e a favor das modinhas, eu fico imaginando como vai ser daqui a 20 anos, será que vai ser qual modinha? andar com roupas de lantejoulas, ouvir alguma musica pior que garota radical e rebolation, e ter um filme que o personagem principal é um homem que vira cachorro super herói ao anoitecer? é um caso a se pensar.
               Entendam que é muito importante alguém ser crítico, mas ser crítico não é falar mal a ponto de xingar e ofender sem nenhuma base, ser crítico é saber a hora e o momento de expressar sua opinião tendo base do que você está falando, é falar e se expressar não porque o seu grupo de amigos está fazendo isso, é dizer porque te convém. 

   A opinião própria sempre irá te levar para os melhores caminhos, a opinião própria sem conhecimento te leva a insanidade. 


terça-feira, 3 de agosto de 2010

Cada olhar esconde um segredo .

              Muitas vezes me perguntaram qual tipo de poder eu gostaria de ter, em uma certeza inconfundível e sem precisar pensar, eu respondi que gostaria de ler a mente das pessoas. Alguns querem voar, outros querem ser invisíveis, o meu chega a ser simples e objetivo. Cheguei a ter essa vontade quando comecei a querer entender o porquê das pessoas serem tão contraditórias, quais os pensamentos que as motivam a tomarem certas atitudes.
               Como eu tenho vontade de mergulhar dentro de cada olhar, como eu tenho vontade de penetrar nos mais obscuro do pensamento humano. Seria curiosidade da minha parte? Creio que não, seria apenas uma questão de querer entender um pouco mais dessa misteriosa criatura. Por mais que estejamos próximos a alguém sempre existirá algum mistério, algum ponto de interrogação, cuja a pergunta não terá resposta.
          Confesso que o mistério me prende, é um tanto sedutor me pegar em perguntas onde algum segredo existe por detrás dos olhos. E é por causa dessa essência que ainda me pego em dúvidas se realmente deveria desejar decifrar algum olhar, porque o que me move a curiosidade e o que me doa algum sabor doce e ardente é poder olhar alguém profundamente pelos olhos tendo alguma esperança que algo possa ser revelado apenas pelo brilho que reflete com a luz do dia.

Eu sempre vou querer saber o que se esconde naquele olhar, e mesmo ansiando por tanto querer, existe algo dentro da minha alma torcendo para nunca desvendar. Assim continuarei a me prender no delicioso mistério de conseguir ir além de enxergar.